Desembargadora Pede Desculpa A Marielle Em Carta Pra Pr

24 Mar 2019 02:14
Tags

Back to list of posts

<h1>O Que &eacute; Marketing Digital E Por Que voc&ecirc; deve Investir Nele Nesta ocasi&atilde;o!</h1>

<p>Rio - Um m&ecirc;s depois de relatar que a vereadora Marielle Franco (Psol) &quot;estava engajada com bandidos&quot;, a desembargadora Mar&iacute;lia Castro Neves publicou uma carta pedindo desculpas &agrave; vereadora, nesta quarta-feira. O texto &eacute; direcionado &agrave; professora D&eacute;bora Seabra. No m&ecirc;s passado, a magistrada questionou como professores com S&iacute;ndrome de Down poderiam explicar em sala de aula.</p>

<p>Em rela&ccedil;&atilde;o &agrave; 10 Passos (e Pre&ccedil;os) Pra Abrir Tua Pr&oacute;pria Loja Virtual , a magistrada pediu desculpas e admitiu que reproduziu as informa&ccedil;&otilde;es da Internet sem analisar antes a veracidade. Pela mesma carta, a desembargadora bem como argumentou o deputado federal Jean Wyllys (Psol). Em uma publica&ccedil;&atilde;o em m&iacute;dia social, ela havia afirmado que o parlamentar merecia ir para um pared&atilde;o (de fuzilamento) &quot;ainda que n&atilde;o valha a bala que o mata&quot;.</p>

<ul>

social-media-vector-icons.jpg

<li>Engenharia de materiais</li>

<li>Gerar autoridade</li>

<li>nove — Log&iacute;stica</li>

<li>Fa&ccedil;a a divulga&ccedil;&atilde;o nas m&iacute;dias sociais com conte&uacute;do de particularidade</li>

<li>quarenta e oito Punching Namard</li>

</ul>

<p>Sobre a post, pela &eacute;poca, Mar&iacute;lia argumentou que fez &quot;uma ironia com o suporte declarado do deputado ao regime cubano&quot; e que n&atilde;o defende &quot;o pared&atilde;o&quot;. Divulga&ccedil;&atilde;o Nas Redes sociais : Facebook escrevendo pra agradecer a carta que voc&ecirc; me ordenou e lhe falar que suas palavras me fizeram refletir muito. 8 Formas De Gerar Leads Qualificados Para o Seu E-commerce mais do que as centenas de ataques que recebi nas &uacute;ltimas semanas.</p>

<p>Desculpe a demora pela resposta entretanto eu precisava deste tempo. Tenho sofrido muito desde que fui atropelada pela divulga&ccedil;&atilde;o de coment&aacute;rios meus, postados em grupos privados - restritos a colegas da magistratura. Por&eacute;m uma pessoa resolveu torn&aacute;-los p&uacute;blicos. Alguns haviam sido postados h&aacute; tal tempo que eu nem ao menos me lembrava deles. A influ&ecirc;ncia foi imensa.</p>

<p>Desde deste jeito decidi me recolher. Chorei, fui abra&ccedil;ada e pensei muito. Como Divulgar Teu Curr&iacute;culo Na Web posi&ccedil;&otilde;es pessoais jamais interferiram nas minhas decis&otilde;es, conhecidas por serem t&eacute;cnicas e, desse jeito mesmo, quase a toda a hora acompanhadas unanimemente pelos meus colegas de turma julgadora. Hoje, todavia, percebi que, ainda que meu corpo despe a toga, a mesma me acompanha aonde eu for. As cr&iacute;ticas pessoais de um magistrado, uma vez divulgadas, a todo o momento ter&atilde;o peso, pouco importando ao Tribunal das m&iacute;dias sociais que tenham elas sido faladas em car&aacute;ter p&uacute;blico ou privado e que opini&atilde;o n&atilde;o seja senten&ccedil;a.</p>

<p>Magistrados assim como erram e, no momento em que o executam, incumbe-lhes desculparem-se. Esta carta &eacute; precisamente isto: um pedido de perd&atilde;o. Perd&atilde;o, D&eacute;bora, por ter julgado, h&aacute; 3 anos atr&aacute;s, ao ouvir de relance, no r&aacute;dio do ve&iacute;culo, uma not&iacute;cia na Voz do Brasil, que uma professora portadora de S&iacute;ndrome de Down seria incapaz de ensinar.</p>

Comments: 0

Add a New Comment

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License